11 de novembro de 2009

Era uma casa muito engraçada...

Ontem foi o primeiro dia da nova casa.

Depois do sufoco de colocar as lâmpadas no lugar sem escadas - de pontinha de pé na mala -, fui desfazer as malas, sacolas e afins. Zezinho está semi morto, mas ainda toca bem. Pra quem não sabe, zezinho é o meu lap, que bateu a cabeça num semi acidente e ficou em semi coma. ok. melhor não tentar entender mesmo. rs

Mas ontem foi o primeiro dia da casa nova.

Na casa vazia, minha voz ecoava poesia. Estava tão feliz que resolvi limpar tudinho e quando terminei, eram quase duas da manhã.

no começo da noite, não sei que horas exatamente, aconteceu o apagão. E eu corri pra fora de casa e sentei na varanda pra ver as estrelas tão nítidas, tão lindas, todas expostas pra mim. Só hoje descobri que a luz não apagou só em Alagodé. Foi pane geral. Deram várias explicações. Mas pra mim, o culpado mesmo foi o arquinimigo do homem aranha, aquele com oito braços que resolveu mexer de novo com energia nuclear. Ou então, vamos logo aos fatos e culpar a Nasa ok?

Hoje tô com vontade de cerveja. Como não tem geladeira, bebo na rua e caio em casa. rs

Não vejo a hora de ver Juan correndo pela casa. Ela é perfeita pra brincar de esconde-esconde!

Linda minha casinha. E ontem até o verde e amarelo não me incomodou. Andava e cantava por ela, energizando tudo, pois "eu estou vestido com as roupas e as armas de jorge".

2 comentários:

  1. Que tudo continue dando certo, nega. Aproveite muito sua casinha e daqui a uns dias, quando Juan já estiver aí, acho que você vai esquecer um pouco Salvador, mas não se esqueça de nós, ta?

    ResponderExcluir

Abra a boca e mostra a língua!