30 de dezembro de 2009

"Vamos viver tudo que há pra viver. Vamos nos permitir"

2009 está no fim. E nos últimos dias eu não passei por aqui por boicote do blogger. Desde antes do Natal que não conseguia abri-lo. Enfim.

2009 está no fim. E com ele muita coisa vai embora e muita coisa, muita coisa mesmo, palpita pra recomeçar. Eu ando acreditando mais nesse 2010 do que jamais acreditei em ano algum. Talvez pelo tanto de inícios que se deram nesse ano que se vai. Talvez pelo fato de estar presenciando em muitos dos meus - e também em mim, porque não - uma vontade imensa de deixar pra trás o que há muito já ficou pra trás.

2009 está no fim. E depois de amanhã não será apenas um novo dia.

Muita coisa se metaforseando em 2010. Assim o quero. Inclusive esse blog, que vai sofrer uma virada que já há um tanto eu também quero. Vamos penetrar mais no universal, fazer postagens com fotos ilustrativas, botar pra fora palavras não ditas, um tantão de coisas. Porque gosto desse cantinho e quero dividí-lo com mais e mais gente.

A partir de janeiro, seremos mais. Mais um ciclo a ser cumprido e mais do que nunca, perto de uma grande mudança universal.

Que chegue logo o primeiro dia do ano. E que a paz universal não fique só na teoria, na data impressa, no imaginário. Um beijo enorme para todos. Vamos nos permitir!!

29 de dezembro de 2009

o blogger está me boicoitando. que porressa?

22 de dezembro de 2009

Tico tico no fubá.

O Personare diz: "Neste momento, é como se você estivesse no alto de uma montanha, vendo tudo do alto. Isso dá ao mesmo tempo uma sensação de conforto e de inteligência. Use isto a seu favor e daqueles que lhe rodeiam, Isa Lorena"

Gostei disso.
Hoje eu acordei péssima, minha garganta piorou, tá dolorida e eu tô lerda feito um zumbi. Hoje vamos sair daqui ao meio dia para ir a pequeno sítio para o almoço da ascom. Churrasco, fumaça, cerveja. Como eu posso tomar antibiótico agora? Num dá....

*

Geralmente fazemos festinha de fim de ano pra ter recesso depois né? Não é o nosso caso aqui. Amanhã ainda trampamos metade do dia, saimos, vamos às nossas casinhas comemorar o natal e.. voltamos. Pra trabalhar mais um tanto até o dia 30. Claro que na próxima encarnação eu não vou ser jornalista, baby.

*

Hoje joguei nos ralos da casa o preparado especial contra baratas que minha mãe fez. Espero não encontrar cadáveres pela casa inteira quando chegar hoje. Imagina gente: eu, provavelmente bêbada, entrando em casa e encointrando as baratas pelo caminho. ....

*

Por raríssimas vezes eu tive febre e estava sozinha.
Não é bom meus caros, não copiem em casa.

*

Cabô Copenhague e a conclusão mais significativa foi a de que as vacas não podem mais arrotar.

Ok, você venceu: batata frita.

21 de dezembro de 2009

19 de dezembro de 2009

Cansada e feliz

Uma surra de beijos entre carneiros sedentos, cinema com pipoca, livro gestado. E muitas entrelinhas intercalando composições.

...

Hoje, fazendo caminho de volta pra casinha da Ribeira, lembrei dos bons tempos em que ia pra faculdade de bicicleta. Minha mãe ficava maluca, eu chegava toda suada, passava umas boas com os buzús, mas era uma delícia. Eu e minha janis. Quantos caminhos...

Eu saía da Ribeira finzinho de tarde e levava uns quarenta minutos pedalando até o comércio. Gostava de fazer o caminho mais longo, mais bonito, que passava pela Boa Viagem. Adora passar pelo Bomfim, ouvir a colina. Adorava a curva enladeirada no final da rua Luis Tarquínio, ver o mar de longe a me abençoar. Sentia os cheiros da Feira de São Joaquim, comtemplava o Moinho e vivenciava o porto, o comércio, o asfalto mais reto. Era muito bom. Muito bom. Chegava na faculdade com todo gás, geralmente descabelada, com cachos e suor a reverenciar novos sentidos. Era uma louca e gostava de sê-la. Era uma injeção de ânimo em minha vida.

Assistia as aulas, curtia os amigos e tarde da noite, fazia o caminho de volta, dessa vez em pista oposta. Me sentia uma diva, eu e janis. As ruas mais vazias me acolhiam, o Pilar, o viaduto. Escrevia estórias, elaborava projetos, sentia na espinha o medo misturado ao delírio do espasmo da coragem, do desafio, da aventura. Era uma delícia... E na pista direta até o Largo de Roma, passava pelos moradores da rua e nos cumprimentávamos de longe, entre o vento e as pedaladas.

Um dia eu quase não chego em casa, porque o fôlego fraco era o inimigo mais severo, sobretudo no início, sem costume. Daí que eu pedalava em silêncio, de boca fechada, resguardando a respiração como quem calcula oxigênio ao mergulhar.

Nesse dia, ainda antes do costume implantado dos cumprimentos diários, passando por lá, um deles gritou: 'lá vai a maluca!" e o meu riso gastou o fôlego que me faltou mais adiante. Era um barato.

Cansada e feliz. E a hora passa tão rápido que quase já é domingo. E muitas entrelinhas intercalando composições...

17 de dezembro de 2009

Não faz mal, limpa com jornal!

Ele veio, mas não contou os dedos do Prefeito...

Juan veio conferir de perto quantos dedos o prefeito tem, afinal. Mas logo hoje ele foi à Salvador... Daí Juan tratou logo de dizer: "Prefeito fujão viu!".
Sinto que P.C. não vai escapar... rs

O pimpolho chegou ontem com minha mãe. Vieram tarde, teimosos que são. Daí que da rodoviária pra casa, dormir, nada mais. Juan adorou a casinha nova. Mais o pátio. Fora das paredes há mais vida, sempre. Adorou o canteirinho, disse "mãe, vc escolheu bem a casa heim?" e eu fiquei radiante com sua aprovação, of course.

Dormimos agarradinhos pra matar a saudades de quase duas semanas. Suspiro.

Hoje nós fomos na escola nova, conhecer e fazer a tal entrevista. Ele ficou maravilhado com a escola e disse que aquilo alí não era uma escola, era uma zooscola, porque mais parecia um zoológico. De fato. A escola é o must. Tem pavão, coelho, periquito, viveiro de pássaros, numa área imensa, de recreio. Periga só Juan esquecer do lanche pra ficar com os bichos né?

A escola é grande, toda linda, arrumada. Tem uma capelinha muito lindinha, sala de arte, quadra, biblioteca ampla... aiai.. deu até vontade de encolher um tantinho viu...

Juan se saiu super bem na entrevista e entre as observações postas pela orientadora estavam o seu carinho e a sua boa dicção, aliados a um vocabulário amplo e inteligência aguçada. Desculpa aê, é meu filho. rs

A pouco deixei os dois na Rodoviária. Puxei bem a orelha dele antes de ir, pra se comportar direitinho em salvacity. Hoje não teve drama, amanhã estaremos juntinhos. Amanhã também é o lançamento do meu primeiro livro coletivo. Pois é. babado. É que eu só soube no começo da semana, mas esses dias foram tão punks que até esauqeci de contar. Pra todo mundo. Lembrei de dizer hoje a mi madre, pra ter idéia. Mas enfim. será sexta, 19h, no Teatro da Uneb. É, eu também quero ir.... rs

O Livro é uma compilação de perfis do semi árido e está nele o perfil de Seo Paraíba, o meu paraíba, biografado já. Inclusive uma das metas desse ano é botar essa bendita biografia na rua e ter a felicidade de me ver publicada devidamente. Esse livro de perfis é, inclusive, um incentivão pra que isso aconteça. na fé de Jah. Vamos em frente.

Agora tá na hora de trabalhar, depois de uma manhã de descanso. Merecida, diga-se de passagem. Hora de ligar Los hermanos nos ouvidos e meter bronca no teclado, pra parir minhas matérias.

Inté!

16 de dezembro de 2009

Os velhos olhos vermelhos voltaram
Dessa vez
Com o mundo nas costas
E a cidade nos pés
Pra que sofrer se nada é pra sempre?
Pra que correr, se nunca me vejo de frente

Parei de pensar e comecei a sentir
Nada como um dia após dia
Uma noite, um mês
Os velhos olhos vermelhos voltaram de vez

*Capital Inicial
Luis, "sei que há léguas a nos separar, tanto mar, tanto mar... Mas sei que é preciso navegar, navegar...".

Ah saudade. Vontade de ter vc aqui agora. Exercendo o intrínseco. Latente. saudade.

15 de dezembro de 2009

Lorenex na cova dos leões

Aquele gosto amargo do teu corpo
Ficou na minha boca por mais tempo
De amargo então salgado ficou doce,
Assim que o teu cheiro forte e lento
Fez casa nos meus braços
E ainda leve e forte, cego e intenso
fez saber que ainda era muito e muito pouco.

Faço nosso o meu segredo mais sincero
E desafio o instinto dissonante.
A insegurança não me ataca quando erro
E o teu momento passa a ser o meu instante.

E o teu medo de ter medo de ter medo
Não faz da minha força confusão
Teu corpo é meu espelho e em ti navego
E sei que tua correnteza não tem direção.

Mas, tão certo quanto o erro de ser barco
A motor e insistir em usar os remos,
É o mal que a água faz quando se afoga
E o salva-vidas não está la porque não vemos

* Legião Urbana

14 de dezembro de 2009

Faz de conta que ainda é cedo. Tudo vai ficar por conta da emoção. rs

"Vivendo e aprendendo a jogar" é uma frase recorrente nos meus dias. Lidar com gente é o ó. Lidar cotidianamente então, putaquepariu, é foda.

Já explicitei aqui o meu desejo maior de trabalhar pra mim, em casa. Isso vai acontecer. Eu tenho fé. E em meus cálculos, faltam menos de 10 anos para que isso seja possível. parece muito? Não é. Eu também acho muito quando vejo da janela, mas depois que abro a porta e observo de pertinho, noutro ângulo, vejo que são na verdade 520 semanas more or less.

Tá, eu também vou gritar.

...

2010 tá chegando. E se 2009 foi o ano da maturidade, 2010 é o ano da transformação, enquanto 2011 é o ano do equilíbrio. Aí em 2012 o mundo acaba. rs
Já iniciei minhas listinhas de metas, objetivos e afins, somada a do que vai pra lixeira. Como em todos os anos eu já sei que das 20 metas, 10 são das listas e outras 10 caem de para-quedas no colinho da mamãe.

Daí que tô tentando pegar leve... Cês já fizeram suas listinhas?
Final de semana gostoso...
Com direito a tinta, amor e árvore de natal.
Amém.

12 de dezembro de 2009

Se segura malandro, pra fazer a cabeça tem hora...

"Sábado de sol, aluguel um caminhão
pra levar a galera pra comer feijão
chegando lá, mas que vergonha!
só tinha maconha!"

Plantão. Duro. Sol da zorra. faxina pra fazer em casa. roupa pra lavar. vontade de passear.
vontade de fugir pra salvador. Duro. Plantão.

11 de dezembro de 2009

Arf. tsc. merda.

Eu sonho acordada com o dia em que poderei trabalhar só em casa, com rotina minha, meus horáriois. Convivendo pouquíssimo com outras pessoas nesse sentido trabalhista. Ando cansada cada dia mais do ambiente de trabalho, dos gritos, do stress, dos maus gestores. Cansada mesmo.

Sonho com o dia em que só precisarei estar presente em reuniões uma vez na semana no máximo, soltando sorrisinhos quase fúnebres aos presentes. Não sou jornalista de redação. Sou jornalista de pesquisa. Alguém me rapte-me camaleoa pelamordedeus!
Tenho medo da vida acostumar...

Loucuras, chiclete e som

Disciplina, firmeza moral e persistência são as qualidades indispensáveis neste momento. Cultive-as e você perceberá que pode encontrar grande felicidade na espera.

Conselho: Pra que se desgastar? Sente-se e aguarde o momento propício.

"Você não sente, não vê, mas eu não posso deixar de dizer, meu amigo, que uma nova mudança, em breve, vai acontecer. O que há algum tempo era jovem, novo, hoje é antigo e precisamos todos, rejuvenescer"

10 de dezembro de 2009

Viver um ano em segundos

"Ser capitã desse mundo
Poder rodar sem fronteiras
Viver um ano em segundos
Não achar sonhos besteira
Me encantar com um livro, que fale sobre vaidade
Quando mentir for preciso, poder falar a verdade"


Muita coisa pra dizer e fazer, pouco tempo sobrando. Pressão me irrita total. E ando bastante presionada no trabalho, principalmente. Como não tem outro buraco pra correr - e convenhamos, acabei de chegar - melhor respirar fundo e entender que competência às vezes é um fardo difícil de carregar. Sem demagogia de modéstia à toa ok? Pense um pouco e verá a razão que há nisso.

Um beijo doce embalou minha terça à noite e foi bom matar saudades...

Quarta-feira em salvador. Vacina, festinha de escola, sequilhos e muita preguiça. Vontade de ficar em salvacity até sexta. Mas a responsa não deixou. Uma merda.

...

Trocar de emprego no final do ano significa não ter direito à décimo terceiro decente. Pois é.
Shimbalaiê. E viva o sol.

8 de dezembro de 2009

"Money que é good nós num have, se nós revasse nós num tava aqui workando, o nosso work é playar".

"Tempo, tempo, mano velho, falta um tanto ainda, eu sei, pra vc correr mansinho..."

Cada dia amo mais a minha casa. E agora ela está mais viva, com alguns livros, alguns papéis espalhados...

Hoje é aniversário de Lygia, minha buga, minha nega, minha pretinha. Essa hora ela tá lá em salvador se acabando na procissão de Nossa Senhora da Conceição, enquanto a pessoa que vos fala mofa em frente ao pc. Coisas da vida. O Mar de Salvacity não é pra todos. Amém.

Vamo ralar. E segue o dia.

7 de dezembro de 2009

Porra. esqueci da marcha da maconha.

A pérola nasce do sofrimento da ostra...

Dezembro chegou lascando e eu ainda não fiz minhas listinhas. Adoro. Vivo fazendo pequenas reflexões sobre o que fica, sobre o que vai, mas no final de um ano, tudo fica mais potente, as esperanças ficam latentes, os desejos renovados... gosto bastante desse clima.



Chega a hora de identificar as pessoas, as coisas, os hábitos e as situações que não nos serve mais e se despedir gentilmente. Adoro rituais. Respeito-os, ainda que não entregue a todos eles o meu acreditar por inteiro. Tenho os meus e neste 2009 me propus a retomar alguns outrora perdidos. Um passo pra frente, senti.



E "quando tudo pede um poucou mais de calma, quando tudo pede um pouco mais de alma, eu tento ter paciência" e vou seguindo. Esse fim de semana, mais que nunca, percebi o quanto Juan está ansioso para ir pra casa nova, viver o novo. Faz quase um mês que ele começou a escrever um diário. Lindo.

Lindo também, já que estávamos falando sobre rituais, essa coisa da criança, desprendida ainda de tantos deles. Para elas o começo é sempre, não precisa de data. Fantástico.

Então que no diário - que ele pede que eu leia - o que mais há são contagens para as férias. E de uma semana pra cá, quando as benditas chegaram de fato, não há um dia em que ele não registre a sua vontade de vir logo pra Alagoinhas. E nós conversamos bastante sobre isso no fim de semana. bastante. E Juan, engraçado como é, com aquelas tiradas irreesistíveis:

- Ju, entenda, nem tem como vc ir pra casa agora filho, primeiro que são suas férias, vc já tá com um roteiro massa aí e tal, e sepois, não tem nada em casa ainda, geladeira, fogão, saca? não tem nada...

- Sim mãe, mas a gente não sempre acampa assim?


rs. pois é.

hoje é dia 7 - adoro esse número - e na fé de jah vai rolar um descanso entre o natal e o reveillon. E por falar nisso.. preciso programar o meu...
Hoje tem visita à zona rural. Adoro! Vou aproveitar e trazer umas toras de madeira pra fazer arte em casa. Delícia.

6 de dezembro de 2009

"Feito louca, alucinada e criança, eu quero o meu amor se derramando"

Sol mar da Ribeira. Vestígios.
Um menino caminha à beira-mar...

um olhar atento
um vício
um tempo prescrito
início
uma brisa, um beijo
arrisca

Domingo. Poucas palavras, preguiça.

3 de dezembro de 2009

"Tenho um sorriso bobo, parecido com soluço, enquanto o caos segue em frente, com toda calma do mundo"

Ontem passei um tempo infinito parada, sentada, no silêncio da casa, pensando. Estava triste, quieta, reflexo latente dos últimos dias, da partida de Luciano, principalmente. Não consigo parar de pensar num emaranhado de coisas e, principalmente, na negligência com que o Estado vem tratando os crescentes casos de meningite em Salvador, na Bahia e no Brasil.
Compreendo que o custo da vacina é alto, muito mais do que imaginamos e que não é fácil para um gestor viabilizar essa verba para vacinar a todos. Mas é preciso mais que vontade para as coisas públicas. É preciso, além de competência, uma garra, uma coragem, que sinceramente, não estou vendo em Wagner e em tantos outros políticos do nosso país.
Quantos jovens, crianças, adultos, adolescentes, mães, pais, terão de morrer? Entendo a morosidade das questões públicas mas não entendo como um país tão grande e diverso como o Brasil não se mobiliza para viabilizar essas questões. Somos uma cambada de filhos da outra. Só pode ser isso.
A meningite é capaz de matar tão rápido quanto imaginamos. No caso de Luciano, os sintomas vieram de manhã e a morte veio à tarde. Entre um e outro, muita angústia, muita dor, daquela mãe que o levava nos braços. É nela que penso agora. É por ela que rezo, por essa mãe que perdeu seu filho de 23 anos, cheio de planos, cheio de vida. Tão feliz ele, tão feliz...
A promessa do governo de vacinar crianças até 5 anos em janeiro é um começo. Mas não pode ser um fim. Não podemos ficar satisfeitos com isso apenas. É preciso mais. É preciso vacinar a todos antes do carnaval. Ou vacinar a população carente, porque nem todos podem pagar 120 reais numa vacina, ganhando menos de 460 todo mês. Quem pode, vai e pague sua vacina. E rápido. Eu farei isso já nesse fim de semana, não quero morrer jovem, não quero ver meus sonhos sepultados antes da hora. Não vou aqui falar sobre Juan, pois até escrever dói e eu não quero pensar mais bobagens. Não hoje mais.
Vamos nos cuidar. Anarquicamente, cuidemos de nós, dos nossos, de quem estiver perto. Passamos um tempo de nossas vidas pensando latente em como mudar o mundo e parece que vamos esquecemos nossos planos mirabolantes ao longo do caminho. Porque é difícil mesmo deixar permanecer a idéia diante das adversidades da vida. Mas não é impossível. Vamos lutar e reivindicar o que nos cabe, lutar pelos nossos direitos, pela saúde pública que nos cabe. E vamos cumprir nossos deveres, porque “disciplina é liberdade”.

Licença para um bom conselho

"Chegou o momento de gozar da boa fortuna, que resulta não da sorte, mas do esforço empreendido. Não se culpe por conseguir coisas que outras pessoas queridas não conseguiram. Não devemos nos medir pelos outros, mas aceitar o nosso próprio sucesso e fazer com que este sucesso sirva de exemplo para os demais. Saiba exercitar seu senso de abundância e você terá diversas oportunidades para distribuir generosidade pelo mundo, multiplicando a felicidade obtida. Há momento em que a sorte se manifesta. Aceite-a, simplesmente, sem culpas ou excesso de filosofias!"

2 de dezembro de 2009

"As nossas conversas são francas e as mais variadas. Ora se fala em livros, ora se fala sobre maquilagem e moda, não temos preconceitos"

Clarice Lispector entrevistando Lygia Fagundes Telles. O texto inteiro é uma delícia. Esse trecho é o de agora, enquanto sigo me debatendo com a falta de palavras que me atormenta nos últimos tempos.

***

Como nasce um conto? Um romance? Qual é a raiz de um texto seu?

– São perguntas que ouço com freqüência. Procuro então simplificar essa matéria que nada tem de simples. Lembro que algumas idéias podem nascer de uma simples imagem. Ou de uma frase que se ouve por acaso. A idéia do enredo pode ainda se originar de um sonho. Tentativa vã de explicar o inexplicável, de esclarecer o que não pode ser esclarecido no ato da criação. A gente exagera, inventa uma transparência que não existe porque – no fundo sabemos disso perfeitamente – tudo é sombra. Mistério. O artista é um visionário. Um vidente. Tem passe livre no tempo que ele percorre de alto a baixo em seu trapézio voador que avança e recua no espaço: tanta luta, tanto empenho que não exclui a disciplina. A paciência. A vontade do escritor de se comunicar com o seu próximo, de seduzir esse público que olha e julga. Vontade de ser amado. De permanecer. Nesse jogo ele acaba por arriscar tudo. Vale o risco? Vale se a vocação for cumprida com amor, é preciso se apaixonar pelo ofício, ser feliz nesse ofício. Se em outros aspectos as coisas falham (tantas falham) que ao menos fique a alegria de criar.

Para mim a arte é uma busca, você concorda?

– Sim, a arte é uma busca e a marca constante dessa busca é a insatisfação. Na hora em que o artista botar a coroa de louros na cabeça e disser, estou satisfeito, nessa hora mesmo ele morreu como artista. Ou já estava morto antes. É preciso pesquisar, se aventurar por novos caminhos, desconfiar da facilidade com que as palavras se oferecem. Aos jovens que desprezam o estilo, que não trabalham em cima do texto porque acham que logo no primeiro rascunho já está ótimo, tudo bem – a esses recomendo a lição maior que está inteira resumida nestes versos de Carlos Drummond de Andrade:

Chega mais perto e contempla as palavras
Cada uma
tem mil faces secretas sob a face neutra
e te pergunta, sem interesse pela resposta
pobre ou terrível que lhe deres
Trouxeste a chave?

"Amo-te, enfim, com grande liberdade, dentro da eternidade e a cada instante"

Eu amo sempre como o Vinícius, num Soneto de Amor Total.
Isso é notório, todo mundo sabe.
E eu gosto de ser assim, principalmente hoje, no tempo do agora, depois que descobri que não sei ser de outra maneira.
Já faz algum tempo. Já faz algum tempo que sei...

Eu amo debruçada na janela, espreitando do parapeito as flores invisíveis, que exalam perfumes incríveis. Amo desleixadamente, como cabelo que enxuga ao vento e fica bonito que dói, sem pente. Amo indefinidamente, com a carência absoluta de quem não cansa de amar e ser amado.

E por amar assim, intensamente, sou inteira sempre, sem saber ser metade.

Aos meus amigos, aos meus amores, à minha família, ao meu filho, eterno e apaixonado amor:
Um beijo estalado, um olhar profundo, um abraço forte. Amo vcs.

Concentração.

Que vontade imensa de fugir daqui e correr pra Salvador, pros braços de Juan... Juro que estou controlando a vontade, porque hoje é quarta... e sexta está pertinho. Mas um dia não é só mais um dia, e eu não quero esquecer isso. Portanto, está difícil controlar esse querer...

Será só promessa?

02/12/2009 às 09:15

Jaques Wagner anuncia compra de 1,5 milhão de doses da vacina contra meningite



O governador Jaques Wagner (PT) anunciou nesta quarta-feira, 2, que 1,5 milhão de doses da vacina contra meningite serão compradas para uma campanha de imunização que deverá acontecer no início do próximo ano. A previsão é de que as doses cheguem até janeiro e sejam distribuídas pelos municípios baianos. No entanto, o público-alvo da campanha será apenas crianças de 0 a 5 anos, por estarem na faixa etária com maior índice de letalidade.

Wagner anunciou a compra das vacinas um dia depois da morte do jornalista Luciano Camacan, 23 anos, produtor do programa Na Mira, da TV Aratu, que faleceu com sintomas da doença. O governador admitiu que a campanha de vacinação não estava prevista para 2010 e que somente em 2011 seria feita a imunização contra a doença. Porém, o avanço no número de casos do tipo mais grave da enfermidade, a meningite meningocócica, fez com que o governo mudasse seu calendário.

Ainda não se sabe quanto será investido, mas a verba será dividida entre o governo do estado e o Ministério da Saúde. Em toda a Bahia, o número de pessoas infectadas pela meningite este ano chega a 1.195, com 126 mortes. No caso da meningocócica, foram 92 pessoas doentes em Salvador, com a morte de 22 indivíduos até a primeira quinzena de novembro.

* Com redação de Eder Luis Santana, A Tarde On Line

"E assim, chegar e partir, são só dois lados da mesma viagem"

1 de dezembro de 2009

Da esquerda pra direita: Carol, Jura, Jucy, mamys, Lipe, Luciano e eu. Olha o sorriso desse menino. 23 anos. Como entender que ele acabou?


...

Luciano morreu e eu estou muda. Luciano Camacan, meu amigo. Não há palavras que descrevam a perplexidade que me toma agora. Só consigo pensar em sua voz ao telefone, quase uma hora da manhã do primeiro dia desse ano, quando ele ligou só prea dizer que me amava e que queria estar lá, comogo, pra passarmos juntos o reveillon como no ano anterior.

Nos falamos na semana passada e ele vinha passar um fim de semana aqui, em alagoinhas... sempre tão feliz, tão cheio de vida e fim. assim, sem mais, sem menos.

A vida é tão frágil, tanto que não conseguimos mensurar isso de verdade.
E quando acontece uma coisa assim tão de repente, a gente fica pensando como queria dizer pela última vez o quanto amava esse alguém que se foi.

Ao menos, nós nos lembrávamos isso sempre. Não havia uma ligação, um encontro, em que não nos abraçássemos forte e olhando nos olhos, recitássemos o amor que sentíamos. É inacreditável perder Luciano. É difícil aceitar e entender como a vida pode acabar tão rápido. E ontem, ouvindo a música que canta antes da novela, eu cantei baixinho pra mim mesma, enquanto pensava forte nessa mesma complexidade que me toma agora: "Como é por exemplo que dá pra entender, a gente mal nasce, começa a morrer..."

Seu sorriso nunca vai embora. Nunca. Nem sei o que dizer. Nem sei...

O Personare diz:


"No período que vai de 01/12 (Hoje) a 03/12, seu sentimento de bem-estar emocional estará associado aos seus amigos queridos, aos grupos em que você aprecia estar. Este é um momento particularmente propício para se unir a outras pessoas com objetivos em comum, ou simplesmente para vocês terem momentos de prazer e diversão em conjunto".

E aí, ninguém me contou que vinha pra Alagoinhas heim?