30 de novembro de 2009

.SuperpoderosaS.


"Dentro do mar tem rio...

Dentro de mim tem o quê?

Vento, raio, trovão

As águas do meu querer"

29 de novembro de 2009

Sei que nada será como antes, amanhã....

Finzinho de domingo, postando direto de salvacity. O fim de semana foi tudo de bom. Queria ter visto meu povo também, mas tem sido realmente difícil desgrudar de Juan nesses tempos de seca semanal maternal. Tive a sensação de esticamento desses dois dias. Uma sensação bem boa em verdade. Não posso dizer que de sexta pra cá foram flores apenas, mas o frescor das que vieram permanceu nos momentos em que se fizeram ausentes.

Sinto algumas coisas se encaixando. Sinto também que 2010 será um ano bem promissor.
Essa será uma boa semana, já que minha casinha começará a tomar formas novas e novos sentidos. Não vejo a hora de vê-la colorida, cheia de quadros e gente. Já decidi que em janeiro farei um chá regado a feijoada de dona Vânia, mas, provalvelmente por aqui mesmo, ou quem sabe alugamos uma van pra todo mundo ir conhecer Alagodé heim?? rs Seria uma ótima!

Muitas coisas para retomar. Muita coisas para começar, recomeçar, aprender, reaprender...
Já arrumei a mochila de volta e dessa vez meus patins vão junto. Não tem porque deixa-los parados aqui com saudades do chão. Seguem junto as tintas e os pincéis também. Nada de ficar parada e deixar que as frestas se fechem para os raios de sol. Quero ver acontecer os dias e as noites e ocupar as madrugadas insones, principalmente.

26 de novembro de 2009

"Há meros devaneios tontos a me torturar (...) isso explica porque o sexo é assunto popular"

Leminskiando


"Tudo em minha volta anda às tontas
como se as coisas fossem todas afinal de contas"


"Eu não sigo o fluxo, faço o caminho que me parecer mais justo"

Sempre achei que, ao vir pra cá, pra alagodé – na verdade, indo pra qualquer lugar longe de minhas raízes efetivas -, passaria a escrever mais. Mais na verdade ainda, acreditava que o isolamento me faria uma escritora mais assídua de mim; acreditava que desse modo, visitaria meus sentimentos com maior freqüência, ou melhor: que ao visita-los, colocaria no papel as descobertas.

Desde que vim pra alagoinhas minha escrita livre diminuiu bastante. Apesar de ter nesse blog um espaço facilitador desse processo, há escritos que não cabem aqui e que, portanto, vão parar noutro lugar. Mas a gaveta está vazia. Ou melhor, não há gavetas...

Eu sou muito severa comigo mesma. Quem conhece bem sabe disso. E essa é uma batalha travada há tempos entre mim e eu mesma. Porque não vale a pena ficar me desgoelando para acertar mais. Como diz minha mãe, basta olhar pra mim e ver que as conquistas estão aí, chegando e vindo, mais e mais... Mas há aquela tristeza que o Besouro identificou como não sendo exatamente minha, dentro de sua visão espírita da vida. Ele pode estar certo. Ou não. O que sei é que é a insatisfação que move o humano. É ela que nos impulsiona a ser melhor do que somos, a buscar um amanhã mais promissor, a encontrar novas saídas.

O fato é que preciso escrever mais. Aqui e fora daqui. Mas preciso também entender que além de estar com o tempo tomado por outros textos – escrevo cinco, seis matérias por dia! – tô sem computador em casa e mais que isso: estou numa casa sem nadica de nada, exceto água, desodorante, creme de cabelo – essencial para os meus cachos – e um colchão de ar. Não posso ser tão cruel comigo mesma né?

Não vejo a hora de arrumar minha casinha. E principalmente fazer um quarto lindão pra Juan, um atelierzinho pra gente fazer arte e um escritório bacana, pra que eu possa trabalhar ouvindo música, tecendo palavras sem ter fim, compondo muitos rocks rurais.

Não tem carneiros e cabras pastando solenes no jardim ainda e o silêncio das línguas cansadas ainda não povoou a casa, porque meus livros ainda estão em salvador... Mas a casa já me permite ficar do tamanho da paz. Terei mais calma durante a caminhada. Palavra de escoteiro.

25 de novembro de 2009

Pra ficar nos anais...

Eu tava conversando com Juan, dizendo a ele que na próxima semana já terminam suas aulas e que podíamos dar um jeito de, no fim de semana, ele vir pra cá pra conhecer a sua casinha nova, a cidade...

- E o prefeito né mãe?

- É Ju, não sei, de repente, sim, conhece o prefeito...

- Mainha?

- Oi Ju

- Quantos dedos ele tem?

- ... Como assim Juan, quantos dedos?

- Quantos dedos ué, cinco, seis, dez..

- Tem todos os dedos Juan, oxe, que pergunta..

- Ah, sei lá, mãe. O Presidente não tem um dedo né? Ele também podia não ter um.

Posso?

24 de novembro de 2009

Exemplo tácito de respeito no ambiente de trabalho

Criz Leal para mim 15:20 (20 minutos atrás)

Cara de lata de sardinha temperada coqueiro, Como solicitado, segue as matérias anexadas.

Xero

Tempo tempo tempo tempo...

“(...) seu signo ascendente é Câncer que, combinado ao seu signo solar Áries, resulta num padrão psicológico que revela uma pessoa emocionalmente muito viva, que sente as coisas de uma forma intensa, ainda que um tanto quanto dramática. Para compreender melhor como se processam suas emoções, convém se permitir momentos de reflexão e um autocontrole maior. Surtos de explosão podem ser comuns, a não ser que sua educação tenha corrigido esta tendência (...) Áries é um impulsivo, objetivo e quase sempre vai direto ao ponto. Câncer no ascendente dá uma "freada" neste seu lado mais ariano, o que pode lhe causar algum incômodo. Com o tempo, você percebe que seu melhor curso de ação envolve um processo um pouco mais indireto, além de mais paciência em relação aos objetivos de longo prazo”.
´
E é bom perceber como as mudanças vêm surgindo. Mas elas vêm devagar... E os surtos de explosão ainda permanecem, com intensidade menor, menos frequentes... mas acontecem. E muitas vezes o surto é controlado, mas fica avontade de gritar inacabada. Por isso preciso tanto de uma atividade física, que me permita extravar depois as coisas... o boxe, por exemplo. Cada soco um grito a menos.

O tempo está quente demais em Alagoinhas. Abafado pra xuxu. Salvador não está muito diferente, noutros lugares também não, me dizem. Mas em Salvacity tem a brisa do mar pra amenizar as coisas... Mas aqui.. arf. só banho de pia.

...

Contando os dias pro din din sair. Só pra ver ele mesmo. Porque ela vai embora tão rápido quanto veio. São as agruras trabalhistas né? fazer what?
Na lista de pendências o item number 0 é auto-escola. Pagar contas atrasadas e uma geladeira também estão na disputa.

...

Ontem eu e Milena falávamos sobre pautas: o excesso e a falta delas. O lance irritante de não ter pauta numa assessoria é que vc precisa usar seus dois neurônios mais espertinhos pra criar notícias boas sem encher muita linguiça. Uma tarefa árdua meus caros... já que encher linguiça é o up da coisa.

...

No mais, permaneço sem tempo extra, dormindo mal, com saudade ininterrupta de Juan e querendo a sorte de um amor tranquilo. fudida, estrupiada e com aquele sorriso imbecil de quem acredita que tudo tudo vai dar pé. Wonan, no cry.

23 de novembro de 2009

E haja imaginação...

Quer coisa pior do segunda-feira?
...
Segunda-feira sem pauta.

Arf.

Primeiros passos: Puxa o freio de mão porra!!!!!!!

“Neste período a passagem da Lua pelo setor das crises pessoais pode significar um transbordamento de emoções e problemas que você tem tentado evitar nos últimos dias, Isa. O Sol em trânsito pela Casa 5 entra em conflito com a Lua, sugerindo que você até deseja levar as coisas numa boa, com mais relaxamento e tranqüilidade, mas há problemas e pendências a resolver que não podem ser evitadas! A Lua neste momento pede que você não faça de conta que não existem coisas que lhe incomodam e que dê atenção a estes pontos”.

O velho personare na ativa!
Cabô o fim de semana. Cheguei hoje de Salvacity. Sempre difícil a despedida.

Passamos esse fim de semana praticamente imersos na piscina, só no thibum, com direito a visitas queridas e tudo o mais.

E no sábado, pela primeira vez, eu peguei num volante de verdade. Depois de passar quase trinta anos no fliperama, aprendi a engatar a primeira e a segunda, com direito a aplausos calorosos da platéia que assistia – Juan, Bernardo, Dyjan (professor oficial da seleção) e Binha. Foi delícia! Em breve estarei desbravando as estradas desse país!

19 de novembro de 2009

A gente vai levando, a gente vai levando, a gente vai levando essa rima

Velho... Eu tô cansada. Seriamente cansada. E esse lance de não dormir direito e não comer direito está me fudendo deveras. Mas num geralzão, eu tô feliz, sabe? Mas poxa... fazer matéria, corrigir matéria, dar título, editar, postar no site, sair pra rua, caçar notícia, acompanhar 19 secretarias e um prefeito. Cansou? Imagina eu...

Meus dias aqui são pau viola mesmo e nos intervalos, não tem cheirinho de Juan e isso complica muito as coisas. No mais, a companhar o prefeito em tudo quanto é buraco não é mesmo fácil. Hpje por exemplo, nós fomos visitar umas escolas em reforma na zona rural. Eu tava doida pra conhecer a zona rural. Adoro aquela paisagem, adoro as árvores lindas e aqui em Alagodé tem muitos´pés de laranja frondosos, uma beleza de se ver.

Fomos ao Riacho da Guia, que é um distrito daqui, um tanto distante da cidade, uns quarenta minutos de carro mais ou menos. Na volta pegamos um puta engarrafamento na estrada. E não tem nada pior do que ficar parado na estrada, sem água e sem geladinho. Sim, eu tô viciada em geladinho... rs

Voltamos pra visitar outra escola na cidade e depois, corre pra outro lugar que o prefeito vai assinar a construção da sede dos mototaxistas! O corre-corre só acabou uma e meia da tarde e minha cabeça já doía deveras, de fome. Aí eu tenho de decidir ir num restaurante almoçar e continuar suja e com sono, ou ir pra casa, comer uma manga, uma tangerina e dormir um tantinho... segunda opção no ato.

Mas essas decisões enfadonmhas hão de acabar, na fé de cristo, como dizem por aí. Basta esse bendito dinheiro sair pras coisas acalmarem um pouco. E hoje eu tive mais uma notícia daquelas que abalam o mundo, de que não há previsão para sair o que me devem no trampo antigo. Ou seja, te vira isinha!

Passei a tarde toda com dor de cabeça. e mesmo depois de comer umas besteirinhas aqui a merda não passou. Por isso já decretei que hoje mereço um jantar. UM JANTAR decente, com uma saladinha gostosa, um suquinho de laranja... e depois vou pra casa ver a novela das oito na minha tv emprestada. Supimpa.

Ontem eu fiz uma bobagem e liguei pra Juan chorando de noite. Mas graças aos bons deuses Juan já tem em si encorporada a lição de solidariedade dos amigos: um dia damos o ombro, no outro choramos no alheio. Ele disse: "ô Mainha, não fique assim... Hoje já é quase quinta-feira então só falta um dia pra gente se ver! Não chore e vá dormir... Durma com anjos viu?!"

É... Meu menino...

18 de novembro de 2009

Por um triz.


Não é nada fácil gerir um grupo de pessoas. Nada fácil lidar com as diferenças, sutilezas, grosserias de cada um. Nada fácil ter de respirar fundo por diversas vezes, engolir desaforos e continuar de pé. Mas faz parte das escolhas que fiz...

Isso é ainda mais difícil quando se tem um pavio não muito comprido e paciência não é virtude vinda de berço. Mas, num cômputo geral, ando me saindo bem nesse gerir e recebido elogios freqüentes, o que se caracteriza em valorização de um trabalho árduo que não só me trouxe para uma outra cidade, mas também para um tanto mais distante de Juan, ainda que por pouco tempo.

O que quero mesmo é ter logo um dinheirinho sobrando para comprar um saco de boxe. Pois é. Academia agora vai ficar difícil e o grande objetivo é mesmo o de descarregar as tensões. Fora a questão estética de ter um troço daquele pendurado em casa, que sempre me pareceu um bom negócio.

Ontem em casa senti um quê nostálgico e estava prestes a me jogar na cama em lágrimas quando lembrei que estava entrando na maldita TPM. - Ah Isa! Liga o som e vamos cantar! Ordenou meu Ego. Foi o que fiz, depois de comer duas fatias de bolo de chocolate com doce de leite. Doces e hormônios em ebulição, tudo haver.

Hoje já dei uma choradinha básica no banheiro escondida, coisa de torneirinha ligada sem razão extensiva mesmo. Agora de tarde me sinto cansada, com sono, numa lezeira de dar dó. Mas como fugir agora ta praticamente impossível, vou assumindo minha missão até seis em ponto, que hoje ninguém me segura aqui dentro!

Thun baracathun baracathum baba

Quando o relógio bate às duas, todas as caveiras sonham com as tumbas,
Thun baracathun baracathum baba
Thun baracathun baracathum baba
Existirmos, a que será que se destina?
Faltam 12 dias para meu dinheiro sair.
Até lá, geladinho de R$ 0,25 é minha melhor compania.

17 de novembro de 2009

Ah puxa, como eu queria uma tvzinha hoje em casa....

"Eu quis dizer, vc não quis escutar", eu diria pra mim mesma agora.
Não tenho o que explicar. Não saberia fazê-lo nem pra mim mesma.
Mas sabe quando vc só queria um colo quentinho, a novela das oito e chocolate quente?
Pois é.
Depois de acordar às 5 da matina pra correr pra Alagoinhas, vim direto trabalhar, não passei em casa e minha casa continua vazia.
Na verdade, cheia de música.
Mas gente, poxa vida, hoje eu só queria a burguesia. Deixa ela ficar limpa outro dia ok?
E hoje é Dia de esquina em salvador...

Meu fim de semana foi dos melhores. Visita de minha thuca, viagem pra Araçás e a súbita loucura de me picar pra Salvador no domingo à tarde pra ver a cara de surpresa de Juan. Fora os quatro geladinhos de uva que tomei. kisuco dos bons. Adoro!

Eu tô é cansada. Ontem aproveitei pra levar meu menino no dentista, pra colocar a massinha que caiu de madura. Passeamos, vimos o mar e ficamos agarradinhos pro tempo passar devagar. Mas passou. Aí de noite eu me arrumei toda pra voltar pra Alagodé. Mas Juan pediu chorando pra eu ficar. Eu não podia. Tinha de chegar bem cedo aqui hoje. Conversamos, as lágrimas cessaram e a despedida.

Fui pro ponto, acendi meu cigarro. Não havia lágrimas, mas meu coração estava num palpitar descontrolado e eu não sabia o que fazer. Chegou o ônibus. Mas eu não consegui ir. Voltei pra casa e ele nem acreditou. Nem eu. Dormimos mais felizes, sem dúvidas. E eu vi o sol nascer de outro jeito...

Traída pelo Twitter

Seis e meia da manhã de sábado. Sol. Viagem marcada com o prefeito. Toca o telefone. Lágrimas. Desespero. Agonia. Porra nega, fica calma, tudo vai se resolver. Traição. Descoberta. Mensagens no celular. Foda, muito foda.

- Vem pra cá. Eu vou viajar, mas podemos ficar juntas de tardinha e no domingo também. Vem. Juro que não é só o egoísmo de te ver. Venha logo.
- Certo. Snif.

Quando uma mulher se sente ou se sabe traída – ás vezes a diferença nem existe, assim como os fatos concretos, basta sentir -, ela se sente diminuída, rejeitada, um cocô. Aliás, todo traído deve se sentir assim, independente do gênero. Eu cheguei nesse viés porque “eu sei como pisar no coração de uma mulher, eu sei. Já fui mulher, eu sei”. Enfim. A questão é que, sabendo-se traído a primeira reação é culpar o outro, a outra, o bicho, o buraco, que atiçou o seu bibelô, levando-o à traição. Pois sim.

Quando ela me ligou – não vou contar não, gente... – eu fiquei agoniada. Mas eram sete da manhã de sábado e a minha solidariedade estava mais ativa que meu cérebro. Assim, quando ouvi as palavras twitter, traição, mensagens, o babado me soou um tanto estranho, mas, porém, contudo, todavia, uma amiga traída é uma amiga traída e antes da razão, querem o nosso colo.

A pessoa em questão é tão ligada, tão focada, que simplesmente desceu uma cidade antes de chegar em Alagoinhas. É sério. Ela desceu em Catu. A essa altura eu já tinha levantado, comido, escovado os dentes, resolvido o meu dia e caída na cama, programado meu celular para tocar meia hora antes de sua chegada, para que pudesse acordar de fato, na hora certa. Toca o celular. Quinze para às 13h. Ela chegaria às 13h30.

- Caralho, vc já chegou?
- Já.
- Oxente, cê pegou o expresso né?
- Não. Normal mesmo.
- Né possível... sim, então, onde vc ta exatamente?
- Na frente da rodoviária né Isa?
- Certo. Então pega aí um táxi e vem para o Inocop II.
- Como é? Robocop?
- Não porra. Inocop. Pede pra o cara te deixar na rua do Zé Café. Vou te esperar na porta.

Ela chegaria em dez minutos. No máximo. Calculei o time e fui pra porta esperar na calçada. Um sol do cão. Cadê a mulé?

- Véi, cadê vc?
- Em Catu.
- Na rua do Catu? Que porressa rapá?
- Não. Em Catu mesmo.
- Não acredito.
- É sério nega. Desci aqui na rodoviária de Catu. Aí fui pegar o mototaxi e quando pedi ao menino pra me deixar no robocop...
- Inocop.
- Isso. Aí ele ficou me olhando e disse que aqui não tinha esse lugar não. Aí perguntei, oxe, num é Alagoinhas? E ele, não menina, aqui é Catu.
- kkkkkkkkkkkkkkkkkk
- kkkkkkkkkkkkkkkkkk
- Vai mulher, pega um ônibus pra cá, to te esperando.

Ela chegou, nós almoçamos e eu fui viajar com o ômi. Voltei, ela tava dormindo. Que bom, descansou, pensei. Em casa, conversamos sobre outras coisas até chegar no assunto do dia. A traição.

- Isa, eu vi as mensagens.
- Estranho né, não vejo fulano fazendo isso velho...
- Mas ele fez. Eu vi as mensagens pro twitter da menina.
- Olhe só nega, é isso que não to entendendo... Como assim mensagem pro twitter? Porque até onde eu sei a gente só pode mandar mensagem assim, pra nosso próprio twitter saca? Pra atualizar e tal.

Ela ficou pensativa. Não, tinha sido traída, com certeza.

- Isa, ele mandou aquelas mensagens. No dia dos namorados. A gente tinha brigado no mesmo dia.
- Repita aí como eram as mensagens velho...
- Ah, tinha uma que ele dizia ‘tô na praça sentado vendo as crianças brincando. Saudades’.
- Hum...
- E tinha aquela que te falei ‘hoje foi um dia cansativo. Lua cheia. Vou ver o meu amor’
- Nega...
- Não, nem me olhe com essa cara. E tudo se liga. Antes disso tinha uma mensagem dizendo que o show de Targino Godin tinha sido adiado e que ia ser nesse dia, 12 e tal. Ele marcou o encontro e...
- Targino Godim? Filha, pelamordedeus, ele estava atualizando o twitter dele caralho!
- Não..
- Claro que sim criatura...
- Como assim? Ai Isa...
- Como assim que ele estava atualizando o próprio twitter pelo celular né porra? Pense aí. Targino Godim é mensagem romântica? Tudo que vc falou aí minha filha, não tem nada haver com traição...
- Ai meu deus... Eu chorei à toa?
- kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
- Sério Isa... E o número que estava lá?
- É o número que ele cadastrou né...

Toca o telefone dela. A irmã. Dizendo que tentou ligar pro número da ‘fulana’, mas não conseguiu nada. Eu só ria ouvindo ela explicar pelo telefone que não tinha como falar com o tal número mesmo, que tinha chorado à toa, que tinha se retado por nada. Traída pelo twitter. Claro que eu tinha de contar aqui né?

Do Mário de Sá Carneiro

Eu não sou eu, nem sou o outro
Sou qualquer coisa de intermédio
Pilar da ponte de tédio
que vai de mim para o outro

"Uma bichinha revoltada com uma poesia não menos densa", segundo a Adriana Calcanhoto.

13 de novembro de 2009

Entre aspas

Dançou e gargalhou como se ouvisse música
E tropeçou no céu como se fosse um bêbado
E flutuou no ar como se fosse um pássaro
E se acbou no chão feito um pacote flácido
Agonizou no meio do passeio público
Morreu na contramão atrapalhando o tráfego

11 de novembro de 2009

Coisa de desocupados criativos, vale ressalvar

É fácil: cê pega umas mosquinhas mortas, deixa no sol pra secar e depois pega o lápis e bota a cachola pra funcionar. Se fizer empenhado, pode sair resultados bons assim:





Era uma casa muito engraçada...

Ontem foi o primeiro dia da nova casa.

Depois do sufoco de colocar as lâmpadas no lugar sem escadas - de pontinha de pé na mala -, fui desfazer as malas, sacolas e afins. Zezinho está semi morto, mas ainda toca bem. Pra quem não sabe, zezinho é o meu lap, que bateu a cabeça num semi acidente e ficou em semi coma. ok. melhor não tentar entender mesmo. rs

Mas ontem foi o primeiro dia da casa nova.

Na casa vazia, minha voz ecoava poesia. Estava tão feliz que resolvi limpar tudinho e quando terminei, eram quase duas da manhã.

no começo da noite, não sei que horas exatamente, aconteceu o apagão. E eu corri pra fora de casa e sentei na varanda pra ver as estrelas tão nítidas, tão lindas, todas expostas pra mim. Só hoje descobri que a luz não apagou só em Alagodé. Foi pane geral. Deram várias explicações. Mas pra mim, o culpado mesmo foi o arquinimigo do homem aranha, aquele com oito braços que resolveu mexer de novo com energia nuclear. Ou então, vamos logo aos fatos e culpar a Nasa ok?

Hoje tô com vontade de cerveja. Como não tem geladeira, bebo na rua e caio em casa. rs

Não vejo a hora de ver Juan correndo pela casa. Ela é perfeita pra brincar de esconde-esconde!

Linda minha casinha. E ontem até o verde e amarelo não me incomodou. Andava e cantava por ela, energizando tudo, pois "eu estou vestido com as roupas e as armas de jorge".

Mamãe dinossauro

A festinha de Juan foi no sábado, 7, mas só hoje bateu aqui uma brisinha e deu pra olhar direito o blog. Pois sim. A ilustração acima da Mariana diz exatamente tudo sobre a festa, sobre o tema, sobre a mamãe aqui, com dinossauros até a cabeça!

O ponto alto da festa sem dúvida foi o rasga-saco, que por si só já é um barato. Eu adooooro! Mas esse ano nos superamos e a cena precisava ser filmada! Consegue imaginar a gurizada se esgoelando pra catar balas e brinquedos ao som do Queen? Pois é.

Isso porque como em todas as festas a primeira a rodar na vitrola foi tia Xuxa... E Juan não gostou nada e disse "ah mãe, bota um rock!". O problema é que a mãe tinha chegado de manhã de viagem e correu pra arrumar tudo até às quatro, numa loucura que só quem organiza festinha sabe como é. E daí que esqueci de gravar o bendito Cd com as benditas músicas do Juan, incluindo sem falta o U2. Tá pensando que ser mãe é fácil xuxu? Fique nessa...

No fim das contas deu tudo certo. As crianças voltaram pra casa empanturradas de doce e de sacolinhas cheias e Juan... Os olhinhos brilhavam! E só fomos dormir quase uma da manhã resenhando sobre a festa.

Uma delícia, literalmente!

10 de novembro de 2009

O Prefeito retado e pidão.

Acostumada a lidar com caninos que muito ladram e pouco mordem, ando satisfeita com o que tenho presenciado na cidade de Alagoinhas, onde resido há pouco menos de um mês. No município que tem água das melhores brotando da terra, a prefeitura faz jus ao seu slogan, que fala a todos de “um novo tempo”.

A quem diga que o prefeito é “pidão”. Veja bem: se pidão é aquele que não tem medo de estabelecer parcerias favoráveis e necessárias para o progresso da cidade, sim, Paulo Cezar é um grande pidão. Mas há de se notar a diferença entre pedir e negociar. E o prefeito de Alagoinhas é um negociador top de linha. Não é à toa que em dez meses de gestão, Alagoinhas tenha crescido tanto e o “pidão” esteja entre os políticos baianos mais admirados no estado, segundo a própria categoria.

Desde o início de sua gestão, em janeiro deste ano, Paulo Cezar já promoveu uma série de melhorias na cidade, muitas delas estabelecidas através de parcerias inteligentes com o governo do estado ou com grandes empresas como a Rede Bompreço e a Petrobrás.

Como exemplo podemos citar o recapeamento nos asfaltos; a organização do trânsito, com novas sinaleiras nas principais avenidas; o Centro Odontológico 24 horas; o Portal de Tributos, que facilitou a vida dos contribuintes; o Credibahia; o decreto do Dia da Consciência Negra como feriado municipal; a promoção da melhor festa do Dia das Crianças que a cidade já viu. Em andamento estão: a recuperação de 17 praças; as obras do supermercado Todo Dia; a duplicação da Avenida Juracy Magalhães; a informatização das escolas rurais da região e a entrega de mais 496 unidades habitacionais.

Passeando por Alagoinhas me ponho a pensar quantas coisas mais esse homem será capaz de fazer pela cidade nos próximos três anos e quem sabe, nos próximos quatro que virão. Prefeito que vai à zona rural ouvir a população, que visita obra de surpresa para acompanhar seu andamento, que recebe estudantes em manifestação em seu gabinete, sentados frente a frente para um diálogo aberto. Esse é um exemplo que deve ser seguido.

Há aquele ditado que diz: quem não chora não mama. Mas Paulo Cezar não precisa de muitas lágrimas para conseguir o que quer, porque tem competência para conquistá-las, acima de tudo. Porque é um bom administrador, um grande gestor. A cidade de Alagoinhas está de parabéns por sua escolha.

6 de novembro de 2009


Batmacumba lelê Batmacumba oba

Queria soltar poesia por aí que nem bolinhas de sabão. Peguei hoje o contrato da casa e segunda feira já durmo em minha casa nova. Pena que alguns planos vão mudar. Nada de trazer coisas de salvacity agora, porque simplesmente tenho matéria pra fazer na segunda em Salvador. O erro!

Vou tentar trazer umas coisinhas miudas que sejam. Essa semana que vem será uma prova daquelas. No próximo findi rola o meu plantão e só voltarei pra Salvador na ooooooutra semana, dia 20. ôpa! Dia 20 é feriado em Alagodé! Que beleza! Volto sexta volto sexta havainas havaianas!

Nadica de dor de cabeça hoje mesmo. Intacta até agora. E olhe que louca que sou resolvi comer vatapá no almoço. Delícia.

Hoje fui ver mais duas escolas pra Juan. A primeira nem vale a pena cometar. Escola suja, desorganizada, com parque no concreto e escorregador de ferro ainda. Horror.
A outra me atacou no coração. A escola é linda! e eu adorei tudo, a estrutura, as salinhas, a biblioteca, as diretrizes pedagógicas... O que me fez não dar resposta ainda é o fato de que no próximo ano o ensino fundamental vai pra tarde e só à tarde. Isso é bem complicado pra mim. Fora que estudar de manhã é bem melhor. Mas enfim. A escola vale a pena. Só pra dar uma idéia, a área de lazer dos pimpolhos é um quintalzão! Com viveiros de pássaros, brinquedos bacanas, casinha de coelho GENTEE!!!!!!!! eu quero estudar lá! rs

Só falta ver uma escola das que selecionei na minha listinha. rs
Mas essa só na segunda e se ela não me cativar como essa, vou virar mamãe elástica e é pro São Francisco que Juan vai. Que escola linda, toda cuidadinha, limpinha...

Hoje tem festinha. Na mesma hora da reunião do conselho. Mas dá pra ir pros dois na fé de jah.
Amanhã saio daqui mais do que cedo, tenho que chegar amanhecendo em salvador! Consegui com ajuda dos universitários organizar toda festinha daqui mesmo. Afinal, eu sou o cão chupando manga na beira da estrada, como diz minha vó.

Aviso aos navegantes

Não se furtem de ler sempre esta coluna: http://www.bahianoticias.com.br/entretenimento/noticia_cheiodearte.html

São as melhores críticas e crônicas atualmente veiculadas na internet. São do meu amigoamor james martins, O Poeta.

Só cheguem lá e voltem sempre.

Pelos poderes de greiscow!!!!!

"Acordei bemol tudo estava sustenido sol fazia só não fazia sentido".

Leminskiando um pouco, respirando mais.
Nada como novos raios de sol na janela.
Sem dor de cabeça, com a pressão quietinha. Só nostalgias.

Hoje é sexta-feira, véspera de festinha particular. Quero muito voltar hoje pra Salvacity, mas acredito que não vai dar. Estou bastante tentada a fugir dos compromissos da noite, mas... É a primeira reunião do conselho de cultura. Quer dizer, é a primeira reunião do novo conselho do qual faço parte. E hoje tem eleição dos dirigentes... arf.

Hoje também vai rolar cervejinha pós expediente para comemorar 200 boletins. Vai ser bacana, eu sei, mas se fosse só isso eu já estaria em Salvador. Não que não goste da cervejinha, como gosto! Mas... uma noite a mais longe de Juan faz uma puta diferença. E nem dá pra explicar porque...

Agora é encarar o dia. Erguer a cabeça e não deixar que alguns olhares fusilantes me machuquem tanto. E usar todos meus poderes de greiscow e combater pra combater qualquer olho gordo!

5 de novembro de 2009

"Quem é essa mulher que canta sempre esse estribilho?"

Dor de cabeça. Lágrima presa.

As chaves da casa só na segunda. A conta mais murcha a cada dia.

Insônia. Distração. Saudade.

Cadê o Chapolim Colorado gente?

4 de novembro de 2009

Uma casa onde eu possa compor os meus rocks rurais...

Caralho... Tô acabada de cansada!
Só acabei de editar e liberar tudo agora! Quase oito da noite... e ainda vou daqui cobrir um evento... meu deus... porque ser jornalista? podia ser dondoca!!!

A merda toda é que eu mesma esgoelei meu tempo hoje. Sai depois do almoço pra dar 'uma passadinha' numa corretora... e passei a tarde inteira vendo casas pra alugar. Acho que vi umas seis casas. Adorei três. Me apaixonei por uma com uma área externa enorme, com pezinho de laranja e tudo! Mas teria que gastar uma grana pra reformar... ah velho.. fiquei com uma dó. Mas enfim. Escolhi uma das primeiras que vi, que gostei bastante mesmo, apesar de não ser tão perto do centro como eu queria. Mas é uma casa que em Salvador num bairro bom neguinho num algu por menos de 800. Levei por bem menos. E sem reformas. Fora a frente da casa que por um surto qualquer está pintada de verde e amarelo. sim. verde e amarelo. um surto patriótico que pretendo resolver até o fim de novembro.


Ah poxa.. eu tô tão cansada e com fome e não posso nem descer pra comer esperando o motorista!!!!!!!! Vontade de recostar na cadeira e dormir... Pior que até sexta vai ser essa correria.

Fico então até sexta na casa em que estou e na segunda já vou pra mi casita nueva!!!
Ah gente.. a casa é linda! Juan vai adorar!

Vontade dela pra já. ai ai...

"Se quiser falar com Deus, tenho que calar a voz"

8 anos de maternidade completados nesta terça, dia 3.

Mais um ciclo fechado, mais um início. O nosso dia começou cedo, ambos preguiçosos e ansiosos, num simultâneo muito nosso. O sol chegou com um parabéns. Canmtei baixinho em seus ouvidos uns versos nítidos para o acordar. E já desperto, lhe entreguei as caixas e também a primeira cartinha de aniversário, já que agora o texto fixa e as frases podem ser mais longas, do jeitinho que a mamãe gosta de fazer. Lemos juntos. Rasgamos juntos os papéis. Presentes de aniversário são pra mim os mais importantes porque marcam os ciclos. Esse ano O presente foi um navio pirata para montar. Pecinhas de madeira, tinta, adesivos, cola, vela, bandeira pirata... delícia! Ele adorou. Eu adorei o seu adorar.

Na escola cheguei no recreio, com o bolo e os brigadeiros. E ganhei um monte de abraços quando agradeci a todos os coleguinhas pela amizade que têm a ele. Aqueles momentos que você entende porque a vida vale tanto, sabe? Pois é.

Gritamos os parabéns, fizemos eclodir na sala o seu nome. Celebramos a sua vida e de quebra ele fez de olhinhos fechados o pedido do ano, secreto secretíssimo, claro.

Seus olhinhos brilhavam.

Depois o restinho da aula. Eu fui pra casa esperar.

De tarde, depois e um almoço gostoso, fomos ver o mar, sentir areia. Não demoramos. A maré altíssima, deixou só um trechinho de areia pra nós dois. Piscina então, decidimos juntos. E brincamos até o fim da tarde, contrariando a renite.

Ia voltar ontem pra Alagodé. Mas umas lagriminhas bobas pediram pra ficar. O que mamãe não faz por aqueles olhinhos?

Estou aqui com os olhos miudinhos de sono... Deixei Salvador às seis da manhã. Sim, ouvi passarinhos...

Bom dia amiguinhos, já estou aqui!

De volta ao batente depois de um feriadaço.
Sim, eu quero contar. Mas três pautas me impedem de fazê-lo agora.
té já.