19 de dezembro de 2009

Cansada e feliz

Uma surra de beijos entre carneiros sedentos, cinema com pipoca, livro gestado. E muitas entrelinhas intercalando composições.

...

Hoje, fazendo caminho de volta pra casinha da Ribeira, lembrei dos bons tempos em que ia pra faculdade de bicicleta. Minha mãe ficava maluca, eu chegava toda suada, passava umas boas com os buzús, mas era uma delícia. Eu e minha janis. Quantos caminhos...

Eu saía da Ribeira finzinho de tarde e levava uns quarenta minutos pedalando até o comércio. Gostava de fazer o caminho mais longo, mais bonito, que passava pela Boa Viagem. Adora passar pelo Bomfim, ouvir a colina. Adorava a curva enladeirada no final da rua Luis Tarquínio, ver o mar de longe a me abençoar. Sentia os cheiros da Feira de São Joaquim, comtemplava o Moinho e vivenciava o porto, o comércio, o asfalto mais reto. Era muito bom. Muito bom. Chegava na faculdade com todo gás, geralmente descabelada, com cachos e suor a reverenciar novos sentidos. Era uma louca e gostava de sê-la. Era uma injeção de ânimo em minha vida.

Assistia as aulas, curtia os amigos e tarde da noite, fazia o caminho de volta, dessa vez em pista oposta. Me sentia uma diva, eu e janis. As ruas mais vazias me acolhiam, o Pilar, o viaduto. Escrevia estórias, elaborava projetos, sentia na espinha o medo misturado ao delírio do espasmo da coragem, do desafio, da aventura. Era uma delícia... E na pista direta até o Largo de Roma, passava pelos moradores da rua e nos cumprimentávamos de longe, entre o vento e as pedaladas.

Um dia eu quase não chego em casa, porque o fôlego fraco era o inimigo mais severo, sobretudo no início, sem costume. Daí que eu pedalava em silêncio, de boca fechada, resguardando a respiração como quem calcula oxigênio ao mergulhar.

Nesse dia, ainda antes do costume implantado dos cumprimentos diários, passando por lá, um deles gritou: 'lá vai a maluca!" e o meu riso gastou o fôlego que me faltou mais adiante. Era um barato.

Cansada e feliz. E a hora passa tão rápido que quase já é domingo. E muitas entrelinhas intercalando composições...

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Abra a boca e mostra a língua!