19 de outubro de 2009

Fiquei lá em salvador...

É gente... dividir casa não é nada fácil. E mal se completou uma semana de experiência para bater novamente o martelo quanto a isso. Porque os homens ainda acreditam que pode “esquecer” as locas na pia ou a mesa suja de farelo de pão pra mocinha limpar? Pois os esquecidos se ferram comigo. Porque a mocinha aqui também sabe se fazer de cega... rs

Passei o fim de semana agarrada em Juan. E pra deixar ele ontem foi um sacrifício terrível. Cheguei na sexta de surpresa. Saí daqui quase quatro da tarde e cheguei em Salvador anoitecendo ainda. Mas da saída da BR para dar a volta no Iguatemi e chegar no shopping Sumaré pra pegar meu buzú pro Flamengo demorei uma hora! Só pra dar uma noção exata da coisa, basta penar que cheguei em Salvador por volta de cinco e meia e só cheguei no Flamengo às 20h45. Pois é...

Ju tava na casa de um amigo, no condomínio. E quando ouviu minha voz, saiu correndo feito um desesperado!! Ô abraço gostoso de saudade... Demorei pra dormir olhando aquela carinha que não via há três dias.
No sábado fui pra reunião da escola, buscar suas avaliações do terceiro bimestre. Notas ótimas, 10 em inglês, 9.5 em matemática, português e história... Mas ainda disperso nas aulas, conversando demais... ô deus.. a quem esse menino saiu heim? Rs

Almoçamos depois de um sermãzinho básico sobre comportamento e atenção e Juan inventou de ir para piscina, antes de sair. Íamos assistir ao Clown de Déia e não fomos. Terminamos ficando em casa mesmo. Antes fomos buscar Ágata em casa minha sobrinha linda que não via há tempos! Fomos ainda comer pizza de cone e Juan finalmente pode fazer o desenho que tanto queria, de um dragão que fica estampado na porta de vidro da loja de Tatuagem. O pivete pediu um banquinho emprestado na pizzaria e foi se prostar em frente à loja pra desenhar, arrancando comentários dos que passavam, claro.

As crianças fizeram farra até tarde, of course e só pregaram os olhos lá pra uma da matina.

No domingo acordamos meio tarde e não dava mais praia. Resolvemos então ficar na piscina do clube mesmo. Uma farra deliciosa!! Juan está nadando cada dia melhor! Parece um peixinho! Eles foram na frente e eu fui depois. E eu adoro a obediência de Juan, porque não é uma obediência cega, é uma noção de responsabilidade muito madura. Ele não vai pra piscina funda sem eu estar por perto. Mas também bastou eu chegar pra ele me dar aquele sorriso e se jogar!

Ficamos nessa vida boa até uma e pouquinho e eu precisava correr pra dar tempo de tudo! Tinha de ir levar ágata em casa, ir ver Carol no teatro e voltar pra Alagogó. Louca, claro. Pois foi o que fiz. E de mala na mão! Mas deu tudo tão certinho que ainda cheguei no teatro às quatro e 40.. por aí...

Não quero ficar lembrando da hora da despedida com Juan. Basta dizer que tive uma súbita vontade de desistir de tudo isso, pra entender o drama... Mas vamos em frente. Isso é muito importante para o nosso futuro.

No teatro, uma surpresa muito maravilhosa. Além de ver o meu anjo de cabelos negros atuando divinamente, segurando um texto enorme de uma hora e meia, recebi o maior presente que poderia nesse ano: o seu retorno. Aquele abraço, aquele olhar, aquelas palavras e aquelas lágrimas... eu escutava e não acreditava... Ela estava ali nos meus braços novamente, éramos a mesma simbiose de antes, duas irmãs, duas almas que não podem se perder... Foi indescritível. ...

Saí do teatro tão feliz, tão feliz, que durante a volta eu flutuava... E tudo se misturava às minhas lágrimas: a saudade de Juan, o medo desse desafio, a volta de minha Carol, seu texto forte, meus amigos todos em Salvador, tudo, tudo e mais um pouco... foram duas horas de estrada, duas horas de um céu estrelado bonito... Duas horas entre lá e aqui, entre o agora e um depois.

Fiquei lá em salvador...

Um comentário:

  1. Tudo, tudo, eu não vou dizer não. Mas que bom que voltaram os comentários! E que Juan continua bom de traço. E que sua Carol foi linda no palco. E que você voltou feliz.

    ResponderExcluir

Abra a boca e mostra a língua!