23 de setembro de 2010

Um híbrido poético

Sou fogo e calma. Contradição, camaleoa. Sou música. Sou vida através das músicas, das sonoridades. Sou letras. Palavras. Gosto de recitá-las, de sabê-las, gosto de criá-las. Gosto do criar. Sou sandálias com queda por tênis e altos saltos para a feminilidade… Sou intuição. Sou o não acreditar querendo… Sou mãe. Sou filha. Sou mulher, bruta, meiga, cruel, sarcástica...
    Sou corpo, sou d(eu)s. sou uma essência que se busca. Que se perde sempre quando pensa que se acha. Sou Chico Buarque eternamente, sou Caetano de cabelos longos e Gil, com sua lata de poeta onde tudo nada cabe. Sou pintura, tinta que se espalha na tela e fora dela, pelo chão, pelo teto, pelos corpos... Sou casa. Sou rua. Sou gente. A eterna descoberta. Sou ávida, eufórica, fatídica, trágica e impulsiva. “O primeiro drama, a primeira dama, o primeiro amor”.
    Sou o querer. Sou o silêncio na tentativa do não angustiante. Sou dinâmica e perfeição. Sou poesia, numa tentativa ininterrupta de ser poeta. Sou Fernando Pessoa, fingidor… Sou virtudes. Transparência. Sou sangue. Literalmente doadora dentro e fora do meu O positivo. Sou mar, praia deserta. Sou álcool e sou água de coco. Sou sexo. Sou toque, olhar, numa busca incessante de prazer. Sou carne, sou fruto e sou sede. Sou chão, paredes e gritos. Sou escrita, com vestígios de informática. Sou correio, sou cartas de amor, todas elas ridículas.
    Sou Elis Regina, sou clara Nunes, Cássia Eller, Vânia Abreu e Elza; sou suas vozes, tão humanas e femininas. Sou águas de Março com ou sem o Tom. Sou Leminski, sou concreta em minhas abstrações. Sou a palavra que nunca foi dita, sou aquela que não termina. Sou a marginalidade sutil. Sou roupa leve, larga… Sou Frida. Sou pássaros cantando de manhã e a sou a calma da madrugada. Sou as cinco da tarde e sou o vermelho do pôr do sol. Sou erva, suco de laranja e café com cigarro. Sou vermelho, sou preto e sou também colorida.
    Sou Salvador. Sou os casarões antigos, sou coisas antigas, brechós, sebos e antiquários. Sou os planos inclinados, sou elevador Lacerda e Taboão. Sou os casebres entre a cidade alta e baixa. Sou a cidade vista do mar, sou o mar, seus barcos, seu porto, seus navios, sua história. Sou Mercado –  vão modelo - sou a luta de seus inúmeros fantasmas. Sou a baía e sou todos os santos… Sou a travessia para Itaparica. Sou outras ilhas sem saber. Sou árvores centenárias e sou plantinhas. Sou nuvens. Sou museus. Sou público. Sou a Contorno descida à pé.
    Sou o pensar querendo trégua. Sou procura. Sou meu filho e a certeza de um amar sem fronteiras. Sou o educar, anatomia. Sou Raul em suas paranóias e metamorfoses ambulantes. Sou teatro, sou cinema, sou arte. Sou artista da minha arte. Sou meus amigos. Sou saudade. Sou despedidas sem lágrimas, o tempo oculto, sou a vida com paixão. Sou meu pai, minha mãe, meu povo. Sou aqueles que ainda não conheci. Sou fotografia… profundidade. Sou terreiros, igrejas, templos, religiões. Sou o místico, o cético e o ateu. Sou o Jesus político, sou cruz, sou forca e pelourinho.
    Sou o tempo que passou, mas nunca acaba... Porque sou Jornalista, porque registro o tempo em sonoplastias impressas, em detalhes, caracteres variados. Sou a transmissão de idéias, grito os fatos. Sempre mais a cada linha, a cada outono, a cada março, a cada ciclo. As vezes Isa, as vezes Lorena. Sempre um híbrido poético.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Abra a boca e mostra a língua!