13 de setembro de 2010

Existe uma diferença sutil entre o desejo de conquista e a supervalorização do que não se têm. Perceber isso é gostoso, faz com que agradeçamos o nosso presente (olha só que nome danado de lógico?) e não se prenda ao passado ou tente agarrar o futuro como se ele fosse um troço distante e não a construção do agora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Abra a boca e mostra a língua!