2 de setembro de 2010


"Gosto do que me tira o fôlego. Venero o improvável. Almejo o quase impossível. Meu coração é livre, mesmo amando tanto. Tenho um ritmo que me complica. Uma vontade que não passa. Uma palavra que nunca dorme. Experimente gostar de mim. Não sou fácil. Mudo de humor conforme a lua. Me irrito fácil. Me desinteresso à toa. Tenho o desassossego dentro da bolsa. E um par de asas que nunca deixo. Às vezes,quando é tarde da noite, eu viajo. E, sem saber, busco respostas que não encontro aqui. Ontem,eu perdi um sonho e acordei chorando, logo eu que adoro sorrir... Mas não tem nada,não. Bonito mesmo é essa coisa da vida: um dia, quando menos se espera, a gente se supera e chega mais perto de ser quem, na verdade, a gente é!"

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Abra a boca e mostra a língua!